Flávio Migliaccio o Ator Trabalhador

Autor da Foto Marcelo Migliaccio

Quando tive a ideia de lançar um concurso de Dramaturgia (roteiro também, ano que vem) homenageando Flávio Migliaccio, eu estava na verdade respondendo ao meu inconsciente, esse lugar misterioso onde brotam os sonhos.

Eu estava voltando à infância, quando o menino estava diante da TV, em preto e branco, maravilhado com a camicleta guiada por Shazan e Xerife personificados por Paulo José e Flávio Migliaccio. Esses atores que marcaram minha infância.

Hoje, ao ter a oportunidade de lançar este concurso em meio a tantas dificuldades que nós trabalhadores da cultura enfrentamos devido à pandemia e a insensibilidade de governantes que odeiam as artes, a educação, a cultura no Brasil, me sinto feliz e ao mesmo tempo com o compromisso de respeitar ainda mais esse maravilhoso artista.

Quero agradecer imensamente a Marcelo Migliaccio, filho de Flávio Migliaccio, que prontamente apoiou e autorizou a ideia tornar-se realidade, o que nos desafia a ter responsabilidades e respeito à memória do grande homem e artista dos palcos, das telas e da dramaturgia.

Também quero agradecer aos parceiros que possibilitaram a premiação nas categorias adulto e infantil: o ator Leo Franco, diretor do teatro Solar de Botafogo, Douglas Evangelista, diretor da Editora Telha, e ao Jornalista Fabio Lau, editor do site Conexão Jornalismo. Muito obrigado pela parceria e amizade.

Agora é hora de autores teatrais de todo o país se inscreverem e mostrarem seus trabalhos. Dia 04 de maio de 2021 conheceremos os textos vencedores.

Tenho certeza de que Flávio Migliaccio, para mim um exemplo de ator trabalhador, o que não se furta a interpretar o que lhe é pedido, seja um pequeno personagem ou ser a estrela, abençoará todos os autores que amam o teatro.

Obrigado Flávio Migliaccio, um dos meus heróis da infância.

Francis Ivanovich.